Ler dicas não-verbais não é apenas entender a psicologia ou a detecção de ameaças. Também pode nos ajudar a conseguir um emprego!
Em um emocionante estudo de 2010, os drs. Dana Carney, Amy Cuddy e Andy Yap discutem o conceito de “power poses/ poses de poder”.

Linguagem Corporal do Poder [Vídeo]

https://www.youtube.com/watch?v=Ks-_Mh1QhMc
Amy Cuddy: Sua linguagem corporal molda quem você é (Ative a legenda)

Essencialmente, isso envolve o uso de certas posturas para parecer mais poderoso. Isso pode levar um entrevistador ou outro interlocutor a ver você como mais digno de um emprego, promoção ou outro benefício, de acordo com este blog perspicaz. No entanto, o Dr. David Matsumoto da Humintell tem algumas palavras de cautela.


Fundamentalmente, essa noção de posturas de poder está relacionada a pistas evolutivas, nas quais animais individuais e humanos procuram demonstrar seu poder para obter uma parcela maior dos recursos disponíveis.

Nossa postura determina muito nossos níveis de testosterona, mas também nosso estresse, que ajudam a transmitir, de maneira muito sutil, uma impressão de poder.


Então, qual é essa postura de poder? De acordo com a equipe do Dr. Carney, isso envolve posturas expansivas e abertas, como espalhar os membros e parecer maior do que uma.

Isso é contrastado nitidamente com uma postura caída, onde o corpo é limitado em uma forma de autodefesa.


Os detalhes dessas posturas podem ser intuitivamente familiares, como muitos leitores provavelmente perceberão.

Quando estamos de braços estendidos, ou se nos inclinamos para a frente, sentimos e evidenciamos uma sensação de poder.

Por outro lado, se dobrarmos os braços no colo para abraçar nossos próprios torsos, haverá um senso de mansidão e submissão.


O Dr. Matsumoto nos adverte que isso não necessariamente funciona se estivermos sentindo emoções conflitantes: “O envolvimento em tais posturas ou gestos ou expressões faciais não necessariamente desencadeia a experiência em indivíduos que já estão experimentando uma emoção, especialmente uma forte.”


No entanto, isso não significa que a postura não possa amplificar ou afetar nossas posturas.

Como o estudo mencionado explica, nossa postura pode resultar em diferentes configurações químicas sendo manifestadas em nosso cérebro. Mas isso pode realmente nos ajudar a parecer competentes e conseguir um emprego?

A resposta, segundo o Dr. Matsumoto, é um pouco confusa.


Por um lado, há certamente muito transmitido através de uma postura poderosa.

Não só pode fazer com que outras pessoas, como um entrevistador para um trabalho, concluam que somos autoconfiantes, mas podem até mesmo nos fazer sentir mais seguros e competentes. Isso não deve ser minimizado.


Dito isso, isso não nos torna competentes.

Dr. Matsumoto adverte a postadora de poder aspirante contra o excesso de confiança nessas táticas:
“Meu conselho seria primeiro ganhar competência real em seu campo.

A última coisa que alguém deve querer é parecer confiante e não ser realmente competente.

Uma vez que a pessoa tenha certo grau de competência, adotar certas posturas corporais podem ajudar a se sentir ainda mais confiante e poderosa … mas ela precisa acreditar e ser capaz de apoiar com competência real. ”

O presidente dos EUA, Donald Trump, recebe o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na Casa Branca, em Washington (EUA).


Ainda assim, é bom estar ciente do poder das posturas.

Como já observamos em blogs anteriores, certas posturas, como a do triunfo, são universais e profundamente enraizadas em nossas raízes evolutivas.

Quando estamos tentando ler outras pessoas, além disso, é muito útil ser capaz de ler sua postura: elas parecem ansiosas? Confiante? Poderoso?

Fonte: Artigo Traduzido do Artigo Original

[notificacao id=”11″]

REVANCHE BLACK FRIDAY